Loading...

quinta-feira, 12 de junho de 2014

TEMPLO PEQUENO, GRAÇA ABUNDANTE


Muitas congregações marcam a vida das pessoas, nunca são esquecidas, como algumas que ficam no bairro de Casa Amarela, mais precisamente no Vasco da Gama, em Recife, Pe. Apesar de pequena, era muito visitada, principalmente nas orações de mocidade, um dos trabalhos mais visitados das Assembleias de Deus,e, antigamente, era o mais cheio que havia.
Isso acontecia bastante na Assembleia de Deus do Alto Nossa Senhora de Fátima. Atualmente o templo lá é enorme, bonito, suntuoso. Mas antes, era de uma simplicidade gritante. Pequeno, mais muito bom de orar, num instante enchia de gente, e a oração ia até às  20:00h ou perto disso. Os irmãos apresentavam os visitantes, oravam, havia agradecimentos, e era muito concorrido, vinha gente de Boa Viagem  e ouros bairros de classe média. Deus se revelava bastante. Tempos bons.
O templo passou muito tempo sendo aquela tapera. Anos e anos mesmo, parecia que jamais iria ser de outro jeito. No tempo do pastor Leôncio havia certa dificuldade com essas coisas. Todo mundo desejava que o templo do Alto Dois de Fevereiro fosse construído (esse é o outro nome do alto), mas parecia algo bem difícil de acontecer. Até que o pastor Aílton começou a construir, e, agora, é o edifício mais suntuoso do lugar.
Havia um presbítero muito alegre, do qual todos gostavam, o irmão Ananias, que, juntamente com o irmão José Alfredo, tomava conta daquela congregação.Passaram muitos anos como diácono dessa igreja,depois foram nomeados presbíteros no tempo do pastor Aílton. O primeiro já está com o Senhor, o segundo,irmão Alfredo, vive ainda. Trabalharam muito pela obra, se deram demais. Até hoje o irmão Alfredo, presbítero, faz algo para o Senhor. Dois presbíteros totalmente diferentes. O irmão Ananias era alegre demais; sempre dizendo uma piada aqui ou ali, sempre gracejando, dizendo suas histórias, nada para ele estava ruim. Já José Alfredo é mais carrancudo, e não gosta de muita conversa. Quando dava a Palavra era sempre firme, parecia Elias. Havia quem não gostasse, mas, no geral, a maioria achava bom as "lapadas" dele. Pelo menos falava a Bíblia. 
Eu visitava bastante a Oração da Mocidade, muito visitado, como disse. Era o refúgio dos crentes. A simplicidade era enorme. Tantas bênçãos Deus deu naquele lugar! Tantos livramentos, pessoas salvas. 
Os trabalhos continuam hoje ainda. Para chegar lá, vindo do centro da cidade, podem pegar uma linha de ônibus por nome Brejo, e saltar no terminal do mesmo, ou então, pegar outra linha, chamada Linha do Tiro, e, se vier do Derby, pode pegar Beberibe Derby, e saltar no terminal de ônibus do Brejo e seguir pela rua próximo a ele.Pode também pegar as linhas Vasco da Gama Cabugá, João de Barros, o Derby, Afogados, e saltar no Vasco da Gama, e seguir pelo Córrego do Botijão. É bom. Chega-se lá. Os irmãos fazem a obra de Deus, não importa onde seja. Quem for de carro ou moto, pode ir pela Rua Dois de Fevereiro. É uma rua bem movimentada.
As igrejas sempre marcam as pessoas, os trabalhos realizados para Deus, e a presença dele nelas, faz a diferença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário